REMIÇÃO DA EXECUÇÃO PODE OCORRER ATÉ ASSINATURA DO AUTO DE ARREMATAÇÃO E NÃO INCLUI DÉBITOS DE OUTRAS AÇÕES

Prevista no artigo 826 do Código de Processo Civil, a remição da execução – o pagamento integral do débito no curso do processo para impedir a alienação de bem penhorado – pode acontecer até a assinatura do auto de arrematação e deve contemplar o montante integral da dívida e seus acessórios, mas não eventuais débitos discutidos em outras ações entre as mesmas partes.

O entendimento foi estabelecido pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que afastou a possibilidade de remição, em caso no qual a dívida foi paga depois da arrematação do bem penhorado, mas antes da assinatura do auto de arrematação. 

O TJSP havia decidido que o valor depositado pela parte executada não era suficiente, pois havia débito em aberto com o mesmo credor em outra ação.

Ato complexo

A ministra Nancy Andrighi apontou que, embora o artigo 826 do Código de Processo Civil de 2015 faça referência à alienação do bem, a arrematação é um ato complexo que, nos termos do artigo 903, só se considera concluído no momento da assinatura do respectivo auto pelo juiz, pelo arrematante e pelo leiloeiro.

Em consequência, declarou a relatora, a arrematação do imóvel não impede o devedor de remir a execução, caso o auto ainda esteja pendente de assinatura.

“Depreende-se da leitura do acórdão recorrido que o requerimento de remição da execução precedeu a assinatura do auto de arrematação, ou seja, verificou-se quando a arrematação ainda não se encontrava perfeita e acabada”, observou.

Fases diferentes

Além disso, de acordo com Nancy Andrighi, o artigo 826 do CPC exige, para a remição da execução, que o executado pague ou consigne a importância atualizada da dívida, acrescida de juros, custas e honorários advocatícios.

Nesse ponto, a ministra destacou que, apesar da exigência de quitação integral, o executado, se houver mais de uma ação de execução em trâmite contra ele, poderá decidir remir apenas uma delas, ou escolher determinada ordem para fazer os pagamentos.

Para a relatora, essa opção é resultado de uma escolha do executado em relação à fase de cada execução, podendo remir, por exemplo, a ação que estiver em estágio mais avançado e na qual, portanto, estiverem mais próximos os atos expropriatórios.

“Em resumo, para a remição da execução, o executado deve depositar o montante correspondente à totalidade da dívida executada, acrescida de juros, custas e honorários de advogado, não sendo possível exigir-lhe o pagamento de débitos executados em outras demandas”, concluiu a magistrada ao reformar o acórdão do TJSP e declarar válido o pagamento feito pela executada.

FONTE: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Resp. 1862676

Bloqueio de bens de empresa em recuperação judicial é de competência da vara falimentar, decide ministro

“Bloqueio de bens de empresa em recuperação judicial é de competência da vara falimentar, decide ministro

Decisão afirma que, conforme precedentes, TCU detém competência para bloquear bens de particulares, mas em caso de empresa em recuperação judicial pedido deve ser apresentado ao juízo competente.

Cabe à 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro analisar pedido de bloqueio de bens da construtora Galvão Engenharia S.A, a ser apresentado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por meio da Advocacia-Geral da União (AGU). A decisão é do ministro Edson Fachin que, ao deferir em parte medida liminar no Mandado de Segurança (MS) 35158, impetrado pela empresa no Supremo Tribunal Federal (STF), destacou que a construtora está em recuperação judicial, cabendo, portanto, à vara falimentar decidir sobre a penhora.

A construtora responde a processo de Tomada de Contas perante o TCU em razão de auditoria nas obras de implantação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro – COMPERJ, especialmente no contrato firmado para a execução da unidade de Hidrotratamento de Destilados Médios (UHDT). Como resultado da auditoria, o TCU decretou cautelarmente a indisponibilidade dos bens da empresa e dos demais consórcios, pelo período de um ano, em razão de possível prejuízo à Petrobras por sobrepreço nos contratos firmados para a execução das obras.

A indisponibilidade dos bens das empresas foi determinada nos termos do artigo 44, parágrafo 2º da Lei nº 8.443/1992 (Lei Orgânica do TCU), combinada com os artigos 273 e 274 do Regimento Interno da Corte de Contas. Contra a decisão, a empresa impetrou mandado de segurança alegando que não compete ao TCU determinar o bloqueio de bens de particulares, podendo atingir apenas bens dos gestores de dinheiro público, e que a medida constritiva ocorreu antes que a empresa pudesse se defender. Afirmou ainda que, por estar em recuperação judicial, a medida cautelar de indisponibilidade de bens é do juízo responsável pelo processo falimentar, conforme determina a Lei 11.101/2005 (Lei de Falências).

Decisão

No mandado de segurança a empresa pediu ao relator a concessão de medida liminar para suspender os efeitos da indisponibilidade dos bens e, no mérito, a anulação dessa decisão. Mas ao analisar o pedido, o ministro Edson Fachin observou que já há julgados do STF que concluem no sentido de que o TCU detém competência para, cautelarmente, bloquear bens de particulares suficientes para garantir o ressarcimento ao erário, “diante de circunstâncias graves e que se justifiquem pela necessidade de proteção efetiva do patrimônio público”.

Fachin ressaltou também que há motivação para a medida, uma vez que o TCU detectou a ocorrência de sobrepreço de R$ 99 milhões no contrato firmado entre a Galvão Engenharia S/A e demais empresas consorciadas, além de denúncias envolvendo pagamento de propina e informações privilegiadas para vencer o procedimento licitatório. “A gravidade do dano eventualmente causado à Petrobras, e portanto ao erário, além da possibilidade de violação de diversos princípios constitucionais, levam à justificação suficiente, ao menos nessa fase processual, da adoção da medida cautelar de indisponibilidade de bens por parte do Tribunal de Contas da União, a qual, embora excepcional, parece adequar-se à busca da satisfação do dano causado ao patrimônio público, caso confirmada pela Corte sua efetiva ocorrência”, disse .

Entretanto, o ministro Edson Fachin ponderou que como a construtora está em recuperação judicial desde março de 2015, cabe ao juízo de falência resolver questões referentes ao patrimônio da empresa recuperanda, “conforme se depreende de leitura do artigo 6º da Lei nº 11.101/2005”.

O relator destacou que a decisão do TCU possui natureza administrativa e não judicial, em sentido estrito, mas que representa uma restrição ao uso e disposição dos bens da empresa vinculados ao Plano de Recuperação Judicial. Assim, conclui o ministro “pela necessidade de apreciação judicial do pleito para a indisponibilidade dos bens da empresa, aferição essa a ser realizada pelo juízo responsável pelo acompanhamento do cumprimento do Plano”.

Assim, diante da excepcional situação da empresa, o ministro relator suspendeu em parte o ato do TCU, a fim de determinar que se a Corte de Contas quiser proceder ao bloqueio de bens deverá requisitar à 7ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro, via pedido formulado pela AGU.

AR/CR

  • Processo relacionado: MS 35158

  • Publicado originalmente no site: http://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=378291, acesso em 14/05/2018.

TRIBUNAL DETERMINA SUSPENSÃO DE LEILÃO DE BEM IMÓVEL RESIDENCIAL EM AÇÃO RESCISÓRIA

Em recente decisão determinada pela 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o Desembargador Simões de Vergueiro determinou a suspensão de leilões judiciais de um processo de execução ajuizado há mais de 11 (onze) anos por entender liminarmente pela possibilidade de impenhorabilidade de um imóvel residencial ainda que este possuísse área destinada ao comércio. A matéria já havia sido julgada em primeira instância com afastamento da impenhorabilidade e execução sobre o bem. Proposta ação rescisória pela ZAPATERO ADVOGADOS ASSOCIADOS, a liminar foi concedida, ordenando a suspensão do praceamento sobre o bem imóvel.

Compliance: uma solução eficaz

COMPLIANCE

 

Afirma a sabedoria popular que “é melhor prevenir do que remediar”. De fato, isso é uma verdade para todos os aspectos da vida humana e, em especial, no caso da atividade empresarial.

Pensando dessa forma, a Zapatero Advogados Associados desenvolveu uma metodologia de advocacia preventiva, utilizando-se das modernas técnicas de Compliance.

A expressão compliance se origina do inglês, em específico do verbo “to comply”, o qual pode ser traduzido como “cumprir”. Logo, esse termo expressa agir de acordo com as regras, com uma instrução interna, um comando ou um pedido. Assim, compreende-se estar em “compliance” como estar em conformidade com leis e regulamentos externos e internos.

Através de uma análise de profissionais capacitados, a Zapatero Advogados Associados vai até sua empresa e faz um “raio x”, um mapeamento dos pontos a serem modificados, melhorados, abolidos ou implementados, para que a atividade empresarial e o crescimento da empresa aconteçam de forma segura, de acordo com a leis e regulamentos do Direito brasileiro, além de sugerir regramentos internos de conduta, visando a melhoria no desenvolvimento dos negócios e do trabalho oferecido.

Em épocas de crise como a que vivenciamos hoje é imprescindível que a ação empresarial seja norteada pela análise dos riscos que enfrentará no mercado, bem como por informações técnicas seguras que levem o empresário à melhor solução em cada situação de seu dia a dia.

Portanto, fica a sugestão da adoção de práticas que minimizem os riscos e aumentem a segurança na atividade empresarial, através de um serviço técnico especializado: Compliance! Para saber mais, agende uma visita na Zapatero Advogados Associados. Será um prazer recebê-lo!